Entrando no Jogo
Não Perca

Como futebol feminino é diminuído por conta do machismo

futebol feminino deveria ser mais valorizado

Alguma vez você já viu o Brasil parar por causa de uma final de futebol feminino? Ou você já viu alguma notícia bombástica falando sobre negociações de jogadoras entre times? Ou quem sabe alguma notícia sobre estádios lotados em partidas de clássico feminino?

Tenho certeza de que não, e isso porque elas não existem. Essas são notícias que pertencem apenas ao mundo do futebol masculino, valorizado, reverenciado e exaltado em detrimento do futebol feminino.

Nossas meninas guerreiras lutam por seu espaço, jogam bola por amor ao futebol e não têm seu reconhecimento. Sim, por amor, porque o salário das jogadoras nem de longe se compara com o dos homens, e por isso, elas jogam por que ama o esporte.

E isso fica ainda mais evidente quando vemos os comentários maldosos sobre o futebol feminino, o total desprezo que as jogadoras enfrentam e sentem na pele, que denigre o seu trabalho. E isso porque ainda vivemos presos ao pensamento machista que continua arraigado em nossa sociedade.

Há quem pense que mulher não deveria jogar futebol, que elas são ruins de bola, que não têm nível tático ou técnico, que o jogo é ruim e dá sono. Mas, parece que esses mesmos que condenam fecham os olhos para a realidade do futebol feminino.

Realidade marcada por uma história recente que ainda é desconhecida pela maioria, e que reúne em si também a falta de incentivo e de verbas. Querem comparar o futebol feminino com o masculino para que ele tenha valor, mas como fazer isso?

O futebol feminino teve apenas 4 edições de brasileirão, contra 60 do masculino. A Champions League das mulheres começou em 2001, e a dos homens em 1955, e mesmo a Copa do Mundo é recente, com sua primeira edição em 1991.

Acha pouco? Então que tal saber que as mulheres não recebem nem mesmo estrutura profissional para seus treinos, que alguns times não possuem sequer uniforme para mulheres? Enquanto os homens são vangloriados como se fossem deuses no alto do Olimpo.

Será que o país do futebol realmente ama o futebol, ou apenas já escolheu seus ídolos e super heróis? E porque será que todos eles são do sexo masculino? É o machismo dando seu ar e mostrando que o futebol feminino não merece incentivo somente porque é jogado por mulheres.

Guerreiras que lutam por seu espaço, que mesmo sabendo que serão ofendidas e menosprezadas ainda assim defendem a camisa do seu país. Elas, sim, jogam por seu time, e não por uma carteira recheada ou minutos de fama.

Talentos diminuídos por mentes ainda preconceituosas e que ao invés de estarem ao lado das atletas para mudar essa realidade do nosso futebol feminino preferem ofender, julgar e desprezar como se não fosse nada. Triste realidade de um país que desperdiça talentos porque nasceram meninas.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *